HOMILIA DOMINICAL: O PAI VOS DARÁ O OUTRO DEFENSOR
Crédito da foto - CENTRO ALETTI

Aumentar Fonte +
Diminuir Fonte -
“Não vos deixarei órfãos. Eu virei a vós!” (Jo 14,18)

É através do Espírito Santo que Jesus Ressuscitado virá até nós em Pentecostes, é através Dele que Jesus permanece no nosso coração e no coração da Igreja que Ele instituiu. Isto se dá, de modo especial, através do anúncio da Palavra de Deus, dos sacramentos e das bênçãos. Destacam-se os Sacramentos do Batismo e da Crisma que nos conferem o Espírito Santo, e da Eucaristia que é a presença real de Cristo ressuscitado. Em cada sacramento é o próprio Espírito Santo Quem age, unindo-nos a Cristo, fazendo-nos experimentar a sua vida divina e a força renovadora.  Temos que ir preparando o nosso coração para Deus renove em nós a capacidade de receber novamente o Espírito Santo. Para isto precisamos ter um coração humilde, sincero, verdadeiro, desprendido de honras e vaidades terrenas.

“O mundo não mais Me verá!” (Jo 14,19)

No Evangelho Jesus diz ainda que “o mundo não mais Me verá!” porque o mundo não é capaz de receber e de acolher o Evangelho porque ainda não conhece e nem recebeu o Espírito Santo. Como dizemos: “Ninguém ama o que não conhece”. E para que este conhecimento seja possível, é necessário que alguém anuncie Jesus Ressuscitado, assim como fez o Diácono Felipe que levou os samaritanos a abraçarem a fé, com alegria. Este anúncio precisa levar as pessoas a viver de modo generoso e integral a vontade de Deus, nosso Pai. Como diz Jesus: Se alguém aceita os meus mandamentos e os cumpre, esse realmente Me ama (Jo 14,21). É neste sentido que dizia o Papa São João Paulo II: “é preciso uma nova Evangelização”, pois não podemos supor que todos conheçam o Evangelho. São Paulo diz: \"Anunciar o Evangelho não é glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!\" (1Cor 9,16). Cabe também ao Evangelizador deixar-se evangelizar pois ninguém será instrumento de evangelização se não estiver evangelizado, se não se sentir amado por Deus, não corresponder ao Seu Amor e não tiver feito com Ele um encontro pessoal de fé.

“Eu pedirei ao Pai, que vos dará outro Defensor: o Espírito Santo” (Jo 14,16)

Jesus chama o Espírito Santo de “Defensor” porque Ele nos foi dado no Batismo e de modo pleno na Crisma, para nos defender, proteger, assistir, acompanhar e consolar. Por isso São Paulo chama Jesus de “Deus da consolação” (Rm 15, 4). Assim o Espirito Santo enviado em Pentecostes se torna nosso assistente, protetor e consolador em nossa vida. O Espírito Santo é chamado de «Outro Defensor» para mostrar que Ele é distinto de Jesus, que Ele é a terceira pessoa da Santíssima Trindade. O Espírito Santo não veio para substituir Jesus na sua missão, mas para continuar e aprofundar a Sua missão, pois aquilo que Jesus falou e ensinou foi sempre movido pelo “Espírito do Pai”, ou seja, pela vontade de Deus Pai. É missão principal do Espírito Santo dar continuidade e animar a missão de Cristo, ensinar e recordar-nos todas as coisas que Jesus disse e fez (cf. Jo 14,26) 

“Impunham-lhes as mãos e eles recebiam o Espírito Santo” (At 8,17)

Esta passagem dos Atos dos Apóstolos é uma das referências ao Sacramento da Crisma, através do qual o Espírito Santo desce em cada batizado que pede à Igreja este Sacramento. A Crisma confirma e reforça a graça batismal, encoraja e fortalece o fiel a viver uma vida na graça de Deus, ilumina-o nas suas decisões pessoais, ajuda-o a discernir o bem do mal, recebe a força para testemunhar o amor e o poder do Senhor com palavras e obras, revigora na alma os dons do Espírito Santo e torna-se um membro legítimo, atuante e corresponsável na missão da Igreja. O Catecismo afirma: “é preciso explicar aos fiéis que a recepção deste sacramento é necessária para a plenitude da graça batismal” (CIgC §1285), pois faz parte dos Sacramentos da iniciação à vida cristã. Segundo o Papa Francisco na Crisma “o Espírito Santo distribui os múltiplos dons que enriquecem a única Igreja: é o Autor da diversidade, mas ao mesmo tempo é o Criador da unidade”.

Peçamos a Deus os sete Dons do Espírito Santo: “sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e santo temor de Deus”, que são as sete virtudes principais que precisamos para viver a nossa vocação e missão. 

Pe. Valdir Luiz Koch.

 
Indique a um amigo
 
 
Conteúdos Relacionados